quarta-feira, 29 de junho de 2011

Lady Godiva

Era uma vez...Lady Godiva...


Lady Godiva era serena, cabelos sedosos, longos e dourados como os raios do sol. Seus olhos eram azuis como o mar, traziam uma expressão de infinito que seduzia ao marido e todos os súditos em volta. Lady Godiva era de uma bondade imensa. Servos e escravos eram tratados por ela com dignidade. Não se furtava da caridade e de ajudar aos desvalidos e desprovidos da grandiosidade da vida e da sua opulência secular.

Um dia, os servos trouxeram diante do conde um camponês que fora apanhado a roubar nabos da horta de Leofric. Levado diante do conde, o infeliz declarou que cometera aquela imprudência extrema por não ter nada para comer, que os últimos grãos que colhera foram usados para pagar os impostos devidos. Que os cinco filhos pequenos choravam de fome, atormentando-o toda a noite. Ao ouvir os relatos do infeliz, Lady Godiva comoveu-se, convenceu o marido a não punir o infeliz, fornecendo ainda, alimentos para os seus filhos. Mesmo irritado, o conde acedeu com a bondade infinita da mulher.

Depois dos acontecimentos, Lady Godiva andou por todos os cantos de Coventry. Montou em seu cavalo, atravessou as muralhas, rondando por toda a parte. Descobriu que a fome assolava o lugar. Que grande parte dos alimentos colhidos iriam para os impostos do conde. Compadecida com o sofrimento daquele povo, Lady Godiva prometeu a si mesma intervir e a ajudá-lo.
Quando retornou ao castelo, encontrou o marido no estábulo, a supervisionar a alimentação das bestas. Lady Godiva desceu do seu cavalo. A respiração arfava de cansaço. Mesmo assim, encontrou forças para contar ao marido da tristeza e miséria que se abatia sobre Coventry. Falou com tanta ênfase que as lágrimas afloraram-lhe os olhos, derramando-se sobre as faces. O conde ouviu a mulher, que lhe implorava para que abaixasse os impostos.

Não se deixou comover, mas as lágrimas da esposa, a sua veemência em defender os oprimidos, fizeram com que Leofric tentasse um ardil. Usando da sua inteligência sarcástica, ele esboçou um sorriso irônico e disse à mulher:
-Muito bem, já que insistes tanto na defesa deste povo, comovendo-me com as lágrimas que destroem a cor do céu dos teus olhos, concedo-te o pedido. Mas para que se realize, imponho-te uma condição, que a próxima vez que fores cavalgar, tu o faças sem roupas, completamente nua pelas ruas de Coventry.
-Tenho a tua palavra de que se o fizer, irás cumprir a promessa?
-Minha amada, se cavalgares nua pelas ruas de Coventry, não só abaixarei os impostos, como perdoarei a dívida aos mais necessitados.
-Que assim seja feito.

Leofric sorriu para a mulher. A promessa fora-lhe fácil fazer, difícil seria Lady Godiva cumprir a condição que impusera. Estava confiante de que ela desistiria e, ao sentir-se culpada, deixar-lhe-ia em paz com aquelas lamúrias.

Mas Lady Godiva trazia no coração uma bondade maior do que qualquer moral estabelecida pela mesquinhez dos homens. Lady Godiva mandou que os seus servos avisassem ao povo do seu sacrifício para salvá-los dos impostos e da fome. Pediu que durante a sua cavalgada penitente, todos os moradores deixassem as ruas e que se fechassem em suas casas. Comovido com a grandiosidade de Godiva, o povo de Coventry aceitou atender-lhe o pedido.
Assim, Lady Godiva desafiou a ironia e mesquinhez do marido. Despiu as vestes no estábulo, montou, completamente nua, o seu belo cavalo. Cavalgou por todas as ruas de Coventry de cabeça erguida, sem que ninguém ousasse observá-la. Somente Jack, o moleiro, não resistiu de contemplar tamanha beleza edênica. Contrariando a todos os moradores, abriu uma fresta da janela da sua casa, ao olhar tamanha beleza nua a desfilar pelas ruas, viu uma grande luz sobre os seus olhos, que foram cegados para sempre.

Ao retornar da cavalgada, Lady Godiva encontrou o conde à espera. Comovido, ele vestiu as roupas na mulher, depois se ajoelhou aos seus pés, reafirmando a palavra dada. Levantou-se e beijou a mulher. Leofric retirou os impostos altos dos ombros do seu povo. Naquele ano as colheitas foram abundantes em Coventry.
O azeite jorrou nos lagares, o trigo transformou-se em pães quentes sobre as mesas, e o vinho abençoou as refeições.

Lady Godiva passou a ser amada pelo seu povo, até mesmo por Jack, o moleiro, que depois da luz da nudez da mulher sobre o cavalo, não viu mais nada na vida.

  • A procissão de Godiva, uma celebração, foi instituída no dia 31 de maio de 1678.
  • Dos anos 1980 em diante, uma habitante de Coventry, Pru Poretta, adotou o hábito de figurar Lady Godiva para atrair visitantes e festas do município. Desde 2005, Porretta mantém o status de embaixadora não-oficial de Coventry. A cada setembro, Poretta lidera uma marcha conhecida como as Irmãs Godiva em prol da paz mundial e união dos povos.
  • Godiva foi imortalizada num poema de Alfred, Lord Tennyson.
Fonte:Lenda Medieval Popular e Wikipédia

10 comentários:

  1. Li á cerca desta lenda a muitos anos e já me esquecia alguns por menores.
    Existem algumas dúvidas quanto a veracidade dos factos, caindo na dúvida a sua existência.
    No entanto, é maravilhoso pensar na grandiosidade de alma desta mulher.

    Beijinhos grande.

    ResponderExcluir
  2. Linda história essa, bem interessante!beijos,lindo dia,chica

    ResponderExcluir
  3. Roberta, adorei a lenda, muito bela!!!!
    um ótimo dia pra você e muito sol, já que em Recife só chove, chove....
    xeros!!!!

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia esta história. De alguma forma fez-me lembrar a rainha Santa Isabel (de Portugal), que também enfrentou o marido para ajudar os pobres.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Namastê!

    ♥ Patricia, realmente, tanto é que virou lenda!!

    ♥ Chica, acho linda esta estória, bela, amo as lendas medievais!!!

    ♥ Helena, saudadessss...rs!!!Aqui chove muitoooo...aff!!!Espero pelo Sol,rs!!!

    ♥ Mafalda, tudo em prol de um ideal humanitário, para mim é válido!!!


    Beijinhos Iluminados!!!
    Paz e Luz!!!

    ResponderExcluir
  6. Oi Robertinha!

    Mas que linda lenda! Não conhecia e concordo com a Mafalda por ser parecida com a nossa lenda da Rainha Santa Isabel.:) Ainda pensei que o moleiro e a Lady Godiva se apaixonassem e ficassem juntos para sempre mas afinal ele ficou cego. Lá diz o ditado: - A curiosidade matou o gato!:)

    Beijinhos da Formiguinha

    ResponderExcluir
  7. oi Roberta, que historia linda!!!
    e que imagem... passa tranquilidade...
    e essa musica do Elton John??
    muito bom gosto...
    bjo e otima noite

    ResponderExcluir
  8. Olá!!!

    ♥ Formiguita querida,Lady Godiva era casada! O moleiro só foi curioso: A curiosidade matou o gato!kkkk...

    ♥ Adri, Linda a música, hã?! Obrigada querida!!!
    P.S:Vim sorrindo do seu cantinho..ainda estou a sorrir!!! kkkk...


    Abraços Fraternais!!
    Paz e Luz!!!

    ResponderExcluir
  9. Linda história , Roberta!! Conheci uma moça que se chamava Godiva, com certeza em homenagem a esta figura!!! Fica aí o exemlo da nossa força, e do quanto de Bem podemos realizar!!
    Beijinhos!! Ah, linda a música, heim?!

    ResponderExcluir
  10. ♥ Olá Valéria!!!

    Somos GUERREIRAS, podemos MUITO!!!
    Obrigada!!!

    Beijinhos Iluminados!!!
    Paz e Luz!!!

    ResponderExcluir

♥ Obrigada pelo comentário, sua opinião é muito importante! Beijinhos Iluminados!

Gratidão!

Gratidão!